Arquivo por Dondoca

Post Jumbo

21 Apr

Oi meninas,
Muitas “novidades” nesse tempo em que fiquei sem postar, mas não necessariamente sem cuidar das unhas. Comecei experimentando o “corte oval-quadrado” que está na moda e ganhando com isso pencas de pele morta e grossa ao redor da unha. A foto abaixo é do site Pursebuzz, e não minha (já que o tal corte não durou na minha mão), apenas para ilustrar o formato que eu tentei imitar:

Não gosto muito do corte completamente quadrado, como também não curto francesinha. Mais tarde descobri que na Inglaterra corte quadrado + francesinha é considerado meio “brega”. Todas as Saskias e Antalyas usam unhas ovais e cores cremosas, enquanto as Sharons e Jades se jogam nas francesinhas; é quase um definidor de classe social. Pessoalmente eu só não gosto do corte quadrado porque tenho medo de acabar me arranhando naqueles ângulos retos; quanto à francesinha, além de eu achar pouco natural, é uma técnica que definitivamente não fica legal em unhas de pontas longas e redondas.

Solucionado o probleminha da forma, chegou a hora de me jogar nas cores. :) Eis o Blue Satin, Chanel velho de guerra, que eu muito aposentaria para todo o sempre se não gostasse tanto. É um INFERNO para tirar; parece que uma caneta BIC estourou na sua mão. Mas enquanto dura (e COMO dura!) é uma delícia:

Quando esse vidro acabar, no entanto, não pretendo comprar outro. Descobri uma cópia PERFEITA e ridiculamente barata: o 292 Navy da Barry M.

Só pela cor do esmalte no vidro já se percebe a semelhança (favor NÃO PERCEBER a tampa do Barry M roída, BRIGADU). No próximo post vou mostrar ambos na mão e provar que são virtualmente idênticos. Diferença só na quantidade (o Chanel tem 3ml a mais), na duração (o Barry M segura menos, mas nada que um top coat não resolva) e, claro, no preço. :)

E agora uma amostra dos outros esmaltes que usei em Abril:

(more…)

Esmalte(s) da(s) Semana(s).

18 Mar

A minha última descoberta genial da semana é: pintar paredes com tinta à base de óleo E unhas pintadas definitivamente NÃO é legal. Para as unhas, claro. E, como eu tenho preguiça de usar luvas, mãos e unhas ficavam um bagaço completo no final do dia: respingadas de tinta e ressecadas por causa do removedor.

Aí eu mudei para tinta à base de água e woohoo, todos os problemas acabaram. Pude voltar a pintar as unhas e, de quebra, fazer um teste de resistência dos esmaltes, hehe.

Aí está o esmalte mais barato da minha maleta, o Antique Coral da linha Natural Collection da Boots (rede de drogarias inglesa).

(more…)

Meu arsenal + novidades

24 Feb

Então eu extrapolei o limite do aceitável e passei as férias quase inteiras sem postar aqui. Em minha defesa declaro que raramente pintei a unha no Brasil e, quando pintei, não tinha photoshop pra redimensionar as fotos; perdoaeu.

Comprei alguns Coloramas no Rio, mas me surpreendi com a falta de qualidade. Sem um bom top coat, o esmalte durava exatos dois dias na unha antes de descascar. Sempre achei que fossem lenda as reclamações das meninas mas agora vejo que procede. Dei a maioria para a minha mãe. Talvez eu devesse ter investido mais nos da Risqué. Comprei apenas dois e adorei tanto a cor quanto a fixação.

Taí o meu preferido do período, o bom, velho e old school Misturinha. Na primeira vez que passei, achei a cor clara demais, o esmalte grosso demais e tirei logo em seguida. Perseverei e, no fim das contas, acabei amando o resultado (perdoaí também a unha quebrada do anelar):

E aqui uma “foto aérea” de boa parte da minha atual e singela coleção:

No link aí embaixo tem mais:
(more…)

Cores de Férias.

18 Jan

Depois de semanas, finalmente volto a postar. Unha de férias, né? Viagem, preguiça, mais viagem, falta de tempo. No avião pro Rio, fiz essa foto com o Rose Pearl da Bourjois; já estava na unha há algum tempinho, mas resistindo bem e bravamente; e continuou resistindo por mais quase três semanas. Definitivamente, não canso de recomendar os esmaltes dessa marca.

Algumas semanas depois que cheguei, quis entrar em clima de verão (*caham*, como se eu gostasse…) e resolvi arriscar o meu querido Barry M (amo essa marca; cores variadas, boa cobertura, dura bastante e são super baratos):

Esse tom de azul geralmente fica muito bem em mim (por ser pastel, porém não muito clarinho) mas, dessa vez, como eu estava preta do sol de Búzios, ficou simplesmente… péssimo. Horrível, mesmo. Tanto que nem passei outra demão, nem mesmo limpei os cantinhos. Fiz apenas essa foto para registrar a tragédia e logo em seguida quase enfiei a mão inteira dentro do vidro de acetona.

Como eu não trouxe muitos esmaltes comigos (esperando me acabar nos Coloramas e Risqués baratinhos), corri pra drogaria mais próxima. Admito que fiquei meio frustrada com a quantidade de cores; achei-as todas meio parecidas e sem variedade de rosas que ficariam bem na minha atual pele de beach babe. Acabei levando dois tons neutros (Doce de Leite e Misturinha) da Colorama, e o Malícia da Risqué.

No passado eu costumava usar o Misturinha de guerreira que era, já que no calor tropical eu empreteço e não curto usar esmaltes mais claros que o meu tom de pele (questão de gosto pessoal). Dessa vez não foi diferente; pintei e não gostei do resultado. Decidi então deixá-lo como base e pôr o Malícia por cima. Dessa vez achei que ficou bacana:

Gostei do Doce de Leite; é um tom mais escuro que o Misturinha e ficou melhor na minha pele bronzeada. No momento estou usando-o nos pés (experimentei o Renda da minha mãe e achei que ficou claro demais). Vou guardar o Misturinha pra usar em Jersey, quando essa fase “Cenoura & Bronze” passar e eu voltar à minha boa e velha cor amarelada de sempre. :)

Lilás para trazer boas vibes.

4 Dec

Então, fiz a unha essa semana mas não ficou tão sucesso. Semaninha terrível, muita coisa dando errado (meu inferno astral chegou mais cedo, beijo) e as unhas não fugiram à regra: consegui quebrar DUAS. Considerem que as minhas são grossas feito casco de cavalo, então quando uma quebra é um acontecimento. Quebrar DUAS é pra suspeitar do destino e, como sugerido pela Letícia, se jogar numa banheira de sal grosso. O jeito foi cortar todas as unhas para tentar igualar o tamanho e tascar um esmalte bem querido pra compensar e trazer boas energias:

Também conhecido como “o clarinho preferido da Lolla”, esse é o Dior Addict, na cor Immaginary Mauve. Antes que comecem a me chamar de “a louca dos esmaltes”, dois adendos: 1. Preço de esmalte bem vagabundo: 1,99 / preço de esmalte decente: 5,99 / preço do Dior: 11,99. O que se compra com 11,99? Uma entrada de cinema e um refrigerante (se quiser uma pipoca pequena, custa mais 4,50). 2. Eu me apaixonei por essa cor nas unhas da minha cunhada. Sempre quis um esmalte lilás bem pastel, mas não muito clarinho porque para morenas não fica bem. Quando ela me disse que era Dior eu engoli em seco e pensei, “ai, ryka!”, e rodei farmácias e mais farmácias atrás de similares, sem sucesso. Até que admiti a derrota e comprei l’original. Gosto tanto que pintei até os pés com ele:

Não ficou tão bom porque, apesar de eu adorar meus “pés de criança” (nunca usei salto, por isso o formato deles não mudou), detesto as unhas. São muito pequenas e não dá pra fazer quase nada; a do mindinho do pé, então, é minúscula. Como o esmalte é bem grosso e as unhas microscópicas, eu pintei todas as do pé (fora as do dedão) sem precisar recolocar esmalte no pincel. Econômico! O vidrinho já dura quase dois anos comigo, sem o menor sinal de endurecimento.

As fotos do arsenal caseiro ficam pra amanhã ou depois; esse post já está longo demais. :) Mas antes de ir, eu estava admirando o flickr da Mórula (username meio bizarro, mas que unhas lindas a menina tem) e paguei a língua. Detesto cintilantes, mas beejesus, achei isso lindo:

Parece mesmo cetim “rosa-antigo”, que as môuçolas usavam pra fazer anágua e combinação lá pelos anos vovó-gatinha. Jogar-me-ei nas revistinhas da Avon quando chegar!

Do you think you have too many?

3 Dec

Think again:

Oi?

Observe as tampinhas; a coleção da mulier é numerada para facilitar a busca. Na real? Pra achar uma cor no meio disso tudo tem é que pesquisar no google. Que fartura.

A dona do arsenal.
Sim. Cento e oitenta e sete. Alguém aqui tem mais? Só por curiosidade.

Segunda chance + Japan Horror

28 Nov

Então, semana passada eu fiz a unha. Ficou tão bom que está durando até hoje (quase 12 dias depois). Sem lascar, só aquela gastadinha básica nas pontas. Resolvi dar uma segunda chance ao Bourjois Rose Fuchsia que eu malhei TANTO aqui; não me conformei com o fato de ele ser tão aguado, sendo que os outros que comprei (da mesma linha) são tão bons. Enfim, ei-lo:

Detalhe é que essa cor aí de “fúcsia” nada tem. Está mais pra “rosa Mattel”, mas enfim. Barbie, tudo o que você quer ser (NOT). Não se engane; apesar de ter uma cor bonita (um rosa chiclete mas sem ser fluorescente) o esmalte é ralo MESMO. Tive que usar uma base cremosa por baixo para dar uma segurada. Nessas unhas, senhoras e senhoritas, há QUATRO camadas; duas de base, duas de esmalte. Graças a Deus eram ambos secagem rápida.

Bourjois fail, mas ó que phyna a minha base da Givenchy. Chique, né? Só que é amostra grátis; veio de brinde numa Vogue, que eu obviamente comprei só por causa do esmalte, já que abomino a Vogue e praticamente todas essas revistas de moda. Camiseta de malha de 800 dólares enrolada em volta de adolescentes do leste europeu que não comem? Passa ontem. Esmalte na necessaire, revista no lixo; 4 libras bem gastas.

Tampando a panela, linquezinho para as gatans se divertirem com a “nail art” japonesa. A môuça das garras pontiagudas vermelhas com retalhos de ONCINHA colados por cima é minha mais nova ídola. Porque né, não é pra qualquer uma trocar o Tampax ou coçar os países baixos com esses punhais de resina na ponta dos dedos. Uia.

shopaholic.

15 Nov

Então, como eu gostei muito, muito mesmo da minha última experiência com o 1 Seconde da Bourjois, fui à drogaria essa semana e comprei mais três:

A primeira cor à esquerda é a Rose Pearl que eu estava usando na semana passada; as outras três são Rose Fuchsia, Cherry Red e Deep Red. A que eu estou usando essa semana é a Deep Red:

Na primeira foto não está descascando; é a luz. Na segunda, dá para ver que o esmalte está levemente gasto nas pontas, mas isso foi depois de quase uma semana de uso. Novamente, a cor é mais bonita ao vivo, um tom de vermelho-marrom clássico que fica muito bem em peles morenas. Certamente se tornou o meu tom de vermelho favorito. E seca em um minuto, etcétera (o “1 Seconde” do nome se refere ao tempo gasto para pintar cada unha, já que o pincelzinho anatômico cobre praticamente a unha inteira com uma só passada). Veredito: AMEI.

Mas, como nada é perfeito, eu testei o Rose Fuchsia (o tom mais claro) nos pés e achei uma porcaria. O esmalte é ralo demais, escorre e, ao invés de ser uma cor sólida e encorpada como os outros, é daquelas bem diluídas (típicas de esmalte vagabundo) e precisei passar TRÊS vezes para ver alguma cor na unha. Realmente não entendi, já que os outros esmaltes da linha são tão bons. Depois eu posto fotos para exemplificar. Veredito: BLERGH.

Para terminar, já que eu estava na seção da Bourjois, procurei pela lixa de unha fofíssima que a Stella tem, mas não achei. Para não sair da loja salivando, levei essa aí embaixo, nem tão bonitinha como a da Bourjois, mas pelo menos é colorida – haha, oi, eu tenho seis anos:

O tamanho é bem prático e dá pra levar na bolsa:

Bem, é isso – demorei tanto a postar que o esmalte da semana já vai ser até trocado hoje. Semana que vem eu tento postar o meu mini-arsenal caseiro, OK?

faz de mim estrela, que eu já sei brilhar.

10 Nov

Já vem com “os gliti tudo” pra salpicar em cima:

Me desculpe quem curte, mas para mim, unha + glitter = BIG NO NO.
Nem vou entrar no mérito daqueles que vêm com estrelinhas coloridas já dentro do vidrinho, ou da assim chamada “nail art”, onde cada unha postiça de 30cm de comprimento carrega em si o equivalente à metade do estoque de alegorias do carnaval passado da Mangueira.

Uma vez a minha bolsa de crochê grudou na unha de uma pessoa dessas no ônibus. Como eu ia descer, fui arrastando a infeliz condução afora e só parei porque ela começou a gritar.

Não. Simplesmente não.

Reminiscências.

7 Nov

Quando eu tinha uns doze anos entreouvi uma daquelas conversas de mães na sala, onde a minha confidenciava às outras algo mais ou menos assim: “minha filha pode até não ser uma miss brasil, mas tem unhas maravilhosas!”. Ao invés de ficar traumatizada para o resto da vida, saí saltitando pela rua e, com o dinheiro da mesada, comprei o meu primeiro vidro de esmalte. Vermelho da Risqué.

Lembro também o dia em que eu, nos velhos tempos de pseudo gótica juvenil, cheguei em casa com cara de quem havia descoberto a pólvora e as unhas pintadas de preto. Descobri o esmalte na casa de uma prima, que o havia comprado numa viagem ao exterior. Eu nunca tinha visto aquela cor antes e estava ali a resposta para o meu dilema: como ser levada a sério como gótica com as unhas pintadas de pink?? Meses depois me apaixonei por um playboyzinho e arquivei minhas pretensões de gótica wannabe – mas os CDs do The Cure e, claro, o esmalte preto, ficaram para sempre.

De resto, quis participar do Mão Feita pelo mesmo motivo da Renata – me forçar a fazer as unhas pelo menos semanalmente. Não há desculpa, já que tenho tempo e uma necessáire cheia de esmaltes. Aliás, existe melhor pick me up do que comprar esmalte novo? É baratinho, satisfaz um impulso consumista-girlie sem quebrar a conta bancária e não falha em nos deixar feliz e loucas pra correr pra casa e ver como fica. Eu sou a louca que se esbalda nas lojas “testando amostras” e sai com cada unha pintada numa cor diferente.

Dito isso, também sou a louca que nunca vai à manicure. Sério, devo ter ido umas duas vezes na vida e odiei cada segundo. Detesto gente futucando minhas mãos com artefatos pontiagudos – acho desconfortável e desconcertante. Faço eu mesma porque EU sei quando está doendo e a hora de parar; e também porque moro nos cafundós do Reino de Elizabeth e manicure aqui cobra o olho da cara e faz um serviço pior do que o meu. E, horror dos horrores: eu NUNCA tirei a cutícula. A vantagem é que, como nunca tirei, ela nunca teve que crescer de novo e é praticamente inexistente.

Ok, apresentação feita, vamos ao Esmalte da Semana:

Estou usando o 1 Seconde da Bourjois, na cor Rose Pearl, que é um rosa bem básico e bonitinho (a foto é péssima porque não refletiu o brilho). Estou tão apaixonada por esse esmalte que amanhã vou à cidade comprar todas as cores disponíveis (não muitas, felizmente). Além de a textura ser ótima (cremosa sem ser grossa, nem rala demais), o formato do “pinceau panoramique” é fabuloso. Você cobre praticamente a unha inteira com uma única passada. Eu consegui pintar a minha mão direita sem borrar; feito até então impossível. E dura bastante – pintei na segunda, hoje já é sexta e ele ainda está quase intacto. E oi, eu sou dona-de-casa.

Sem contar que seca em menos de um minuto; um dos motivos pelos quais eu demoro a fazer unha é a PREGUIÇA de esperar o esmalte secar.
É, eu sei. Imperdoável. Mas prometo mudar. Yes, we can!